Tag Archives: Viagens de carro

Punta Del Este – o luxo!

17 out

Olá viajantes!

Imagem

Patrícia Porter e uma noite de tranquilidade! 😉

Após a visita ao Cabo Polonio, jantamos e compramos algumas cervejas Patrícia (tínhamos que experimentar a cerveja local, como não?! rs). As cervejas Patrícia são encontradas em qualquer posto de gasolina, supermercado, boteco e vendinha. As garrafas, pelo jeito, não são retornáveis, o que nos permitia comprar mesmo sem ter um vasilhame para trocar. Ao final da nossa estadia, deixamos as garrafas para o dono do Hostel descartar e dormimos nossa última noite no Hostel Ibirapitá – havia muita coisa para ver, conhecer, experimentar, etc.

A idéia era passar por Punta del Este (porque, afinal, precisávamos ver do que todos estavam falando), pela capital Montevidéu, e seguir para Colonia del Sacramento. O plano era deixar o carro em Colónia, cruzar de balsa o Rio da Prata, que divide Uruguai e Argentina, e dormir uma ou duas noites em Buenos Aires.

Partimos por volta das 10h, com a idéia de almoçar em Punta del Este. Segundo o GPS (e o Google Maps), são 122 km pela Ruta 9, que podem ser cruzados em aproximadamente 1h40 min. Nós fomos muito mais devagar que isso, para aproveitar as paisagens e tirar fotinhos! 🙂

No caminho, casas e condomínios luxuosíssimos nos dão conta de onde estamos chegando. O bairro chama-se Parque Del Golf.

Casas e condomínios lindos

Casas e condomínios lindos

IMG_7938 IMG_7939 IMG_7941Perturbador, né?! rs

Fashion Road, centro de Punta del Este

Fashion Road, centro de Punta del Este

Punta del Este é mais ou menos o que Campos do Jordão representa para nós paulistas: uma cidade luxuosa, cheia de gente rica e lojas caras, que se tornou um dos destinos chiques da América do Sul.  Agora, além de beber vinhos caros no Chile e esquiar na Patagônia Argentina, você pode visitar a Fashion Road no Uruguai! 🙂

Lojas de todas as marcas, gente rica em todos os lados, shoppings, restaurantes finos… bom, nós nos sentimos pobres, claro. Ver uma vitrine com bolsas “Prada”, com a mais “barata” delas custando US$ 4.000,00 e não se sentir desvalido não é para qualquer um*!

*caso esteja interessado em saber mais sobre as lojas e os preços de Punta, achei um post bem legal nesse blog.

Descemos a rua procurando um caixa eletrônico onde pudéssemos sacar algum dinheiro (dólar ou peso uruguaio). Para quem é cliente Itaú, tem uma agência no final da rua. Encontramos agências do HSBC e do Santander por lá também – ressaltamos que independentemente do banco que você tem conta, o valor não pode ser sacado da SUA CONTA. Será sacado de um CARTÃO DE CRÉDITO INTERNACIONAL, com função de saque previamente habilitada. Não se esqueça de falar com o gerente de seu banco antes da sua viagem! Essa informação pode ser consultada aqui.

Enquanto procurávamos o caixa eletrônico, encontramos um restaurante giratório! Você pode fazer a sua refeição e admirar a paisagem de Punta, em 360º. O restaurante chama-se La Vista. Encontrei vários comentários no TripAdvisor e no Google, mas como não entramos no restaurante, não consigo lhes dizer como é o local. Os preços váriam de médio a alto e eles cobram US$ 8,00 caso você queria subir somente para admirar a vista e tirar fotos.

As ruas são limpas, têm lixeiras por todos os lados, os prédios são bonitos e mesmo os mais antigos são muito bem conservados; vimos raras pixachões; as construções são incríveis e um dos marcos da arquitetura moderna é a Ponte da Barra Leonel Viera, conhecida também como “ponte ondulada” ou “ponte torta”:

Ponte linda!

IMG_7907

E é muito engraçado dirigir nela!

Bandeira ao vento antes da entrada da ponte - :D

Bandeira ao vento antes da entrada da ponte

Depois do nosso rolê na cidade, da ponte incrível e das lojas chiques, finalmente fomos até o Posto 4 da Praia Brava, onde fica o monumento mais famoso de Punta del Este:

Monumento al Ahogado

Monumento al Ahogado

Chamado “Monumento al Ahogado”, a escultura foi feita em fevereiro de 1982 pelo artista plástico chileno Mario Irarrazábal. Demorou 6 dias para ficar pronta e, segundo o artista, a mão significa a presença do homem na natureza, o homem surgindo à vida. Também é conhecida como “Los Dedos” e  “La Mano”, e tem “irmãs” dela no Chile, na Itália e na Espanha. Não temos as especificações exaaatas, mas o maior dedo deve ter por volta 4,5 metros. Tinha algumas pixachões, mas a maioria à lapis ou caneta – nada que estragasse muito as fotos. É bem bonito, e praticamente obrigatório aos turistas tirar fotos lá pertinho!

Nesse dia, almoçamos uma milanesa e seguimos viagem, porque ainda tinha muitas coisas para ver e queríamos dormir em Montevidéo. Mais um pouquinho de Punta:

Calçada da Praia Brava, em frente ao monumento

Calçada da Praia Brava, em frente ao monumento

Uma das muitas lixeiras da Intendência de Maldonado

Uma das muitas lixeiras da Intendência de Maldonado – com baleia de símbolo 😉

Lá o carro chama-se Spark (versão sport)

Lá o carro chama-se Spark (versão sport)

A marina e os "barquinhos"

A marina e os “barquinhos”

Praça para feirinhas e exposições

Praça para feirinhas e exposições

A vista é espetacular! Procure os leões marinhos ;)

A vista é espetacular! Procure os leões marinhos 😉

Colocarei todas as fotos do Uruguai no link fotos, assim que terminar de escrever o roteiro todo, ok?

Criamos uma página no Facebook. Curtam lá! Até mais viajantes!

Anúncios

Mi Uruguay querido!!!

25 ago

Olá viajantes! Estamos vivos ainda!! 😀

Muitas coisas aconteceram no último ano: corremos, viajamos,  trabalhamos, cansamos. Enfim, acabamos ficando sem tempo para contar as nossas aventuras por aqui. Aos poucos, vamos recordando as histórias e postando as nossas viagens e nossas impressões, ok?

Vamos ver se consigo terminar de contar para vocês a viagem para o Uruguai, finalmente! Rs

Chegamos ao nosso primeiro destino, La Paloma, na noite do dia 03 de outubro de 2012, perto das 22:40. Embora as estradas por onde passamos não tenham iluminação, o asfalto é ótimo e a sinalização é muito bem posicionada. A velocidade média é de 90 Km/h.

Nos hospedamos em um hostel, que foi reservado pela internet, através do Booking – importante: baixe os aplicativos que você julgar necessários, salve as informações em um bloco de notas. Os serviços de roaming internacional são caríssimos (a Vivo cobra R$ 24,90 por DIA), e se você vai depender de Wi-Fi a viagem toda, é melhor se prevenir. Por conta disso, desligamos os sinais 3G do celular e nos comunicávamos por mensagens, quando o wi-fi estava disponível.

No Uruguai, há sinal wi-fi praticamente em todo lugar: restaurantes, lojas, hotéis, bastando que você peça a senha e aproveite. Há uma rede pública com sinal aberto, mas o sinal normalmente estava fraco e eu não conseguia ficar conectada durante muito tempo.

Open!

Open!

Ficamos no HOSTEL IBIRAPITÁ, situado no Departamento de Rocha. Pagamos US$ 24,00 a diária do quarto “double”, a suíte para casal. O hostel conta com um páteo com cadeiras e mesinhas, pra você bater papo e tomar cerveja Patrícia com os amigos. A cozinha também fica disponível para uso. Ao lado da recepção, há uma sala com lareira, que fica acessa em noites de muito frio. Você pode aproveitar para treinar o seu inglês nesta sala, já que a maioria dos turistas não fala espanhol.Há lençóis, cobertores e toalhas. No valor da diária, está incluso um café da manhã, mas eles não servem as outras refeições. O banho é quente, mas o aquecimento da água é por caldeira, e você pode ter a desagradável surpresa da água quente acabar antes de você terminar o banho – seja rápido!  Você pode levar suas bebidas e colocar no frigobar (antigo) do quarto, e também pode experimentar “Grappamiel” na recepção – um misturado de aguardente de uva e mel, muito popular no Uruguai (no dia seguinte, compramos uma garrafinha no terminal de ônibus, custou uns 60 pesos uruguaios – R$ 6,00).  É doce, e forte. Desce esquentando tudo mas deixa um gostinho bom de mel na boca. É bom, mas um pouco enjoativo para tomar muitas doses. O rapaz que cuida do Hostel foi muito simpático e nos deu muitas informações sobre o lugar. O hostel fica muito próximo ao “centro” de La Paloma. Há 2 quarteirões, você tem acesso a um restaurante, supermercado e posto de gasolina. Mais um quarteirão, lojas de roupas, bancos, bares, mais restaurantes e a praia!

Playa Bahía Grande

Playa Bahía Grande

A nossa primeira impressão de praia no Uruguai ocorreu no dia seguinte, 04/10, por volta das 9:00a.m. Bahía Grande! E era grande mesmo!

Um acumulado imenso de pedras para andar, uma areia grossa com muitas e muitas conchinhas quebradas, sem ondas, e com um vento frio que só! Visitar a praia de blusa de nylon não é muito comum no Brasil e se você acha que depois de 20 minutos de sol nós tiramos a blusa, engana-se. Nesta praia, nos demos conta que estávamos no sul da América do Sul, e que se viajássemos em linha reta em algum momento estaríamos no Pólo Sul… é frio, gente!!! Mas a vista é de tirar o fôlego!

No canto direito da foto tem um farol, vista comum no litoral uruguaio. Todas as cidades litorâneas pelas quais passamos têm um farol, sempre bonito e disponível para visita em alguns horários do dia.

A vista da praia e a vontade de por o pézinho na água fria!

A vista da praia e a vontade de por o pézinho na água fria!

Depois de uma voltinha na praia, fomos dar uma volta pelas ruas da cidade. Pequena e acolhedora, La Paloma é um ótimo refúgio para quem quer sossego, natureza e paisagens bonitas.

As ruas são de cascalho, conchinhas ou pedras. Poucos automóveis circulando.

As ruas são de cascalho, conchinhas ou pedras.

20121004_120544

Sem números!

As ruas são muito tranquilas, vimos poucos automóveis circulando por lá. Pudemos reparar também que as casas não têm números! Todas têm um “nome”, uma forma de identificar o morador – sempre com nomes de peixes, lugares, coisas da natureza. Esta ao lado direito é identificada como “Alua”, e tem uma lua acima da entrada.

Um rolê pelas ruazinhas e entramos no supermercado. Várias marcas são comuns, algumas coisas têm nomes diferentes em embalagens iguais às daqui. Os preços são muito parecidos com os nossos.

Cubano!

Cubano!

O rum cubano, por exemplo, é mais caro aqui do que no Uruguai (lá custa em média R$ 67,00). Fiquei tentada a comprar, mas não ia dar pra tomar todo esse rum e dirigir tudo o que tínhamos que dirigir ainda, né?! rs

Chá medicinal :)

“Reduce su tamaño”. Será?!

E os chás?! Ah, nós rimos muito! No Brasil existem leis que proíbem este tipo de “promessa medicinal” nos produtos. Já no Uruguai… esse chá ao lado é para redução do tamanho da próstata! Vimos chá para impotência, para emagrecimento, e diversos tipos de chá divertidos! 🙂

Essas diferenças podem parecer bobas, mas achamos que conhecer esta parte do dia a dia das pessoas faz diferença no final, no nosso “entendimento” do lugar que estamos visitando. A forma como elas vivem, como comem, o quê comem, quanto pagam, etc. faz parte da cultura de um povo, um país. Visitem os supermercados. É muito divertido!

Volto já com o outro post sobre o Uruguai.

Abraço, viajantes! 😉

Dois dias, três estados!

25 out

Olá viajantes!

No começo da viagem, a coisa foi meio corrida, verdade. Estávamos apreensivos: era muito espaço para percorrer em pouco tempo!

Como o destino final era o litoral do Uruguai, não reservamos hotéis nem pesquisamos muito sobre o caminho. E esse é um erro que vocês podem corrigir em seus planejamentos!

São Paulo-Lages

E lá vamos nós para o primeiro dia de viagem!

Primeiro dia: Curitiba/PR e Lages/SC

Saímos de São Paulo (zona norte) em 1º de outubro, por volta das 8h30. Como saímos tarde, acabamos pegando um pouco de trânsito até a Rodovia Régis Bittencourt (BR 116). O plano era almoçar em Curitiba e dormir na cidade mais distante que pudéssemos alcançar – dormimos em Lages/SC. O custo dos pedágios até Curitiba/PR é de R$ 10,80 (6 pedágios de R$ 1,80), e de lá até Lages/SC é de R$ 16,50 (5 pedágios de R$ 3,30).

De acordo com o Google Maps, são 769km e o tempo de viagem é de quase 10 horas. Como nós paramos para almoçar e fizemos mais umas paradas para esticar as perninhas, chegamos à Lages por volta das 22h.

Usamos o GPS para achar hotéis, mas não deu muito certo. Dormimos no hotel IBIS de Lages, que é na primeira avenida entrando na cidade, por R$ 129 a diária, sem café da manhã. O valor e as fotos no site condizem com a realidade – o atendimento é meio frio, mas não deixa nada a desejar; como no hotel não se serve jantar, eles ofereceram uns folhetos de lugares que entregam comida e emprestaram pratos e talheres; as tomadas estão no novo padrão brasileiro, então LEVE BENJAMINS! Esquecemos os nossos, mas o recepcionista do hotel nos emprestou um para carregar as baterias das câmeras. 🙂

No dia seguinte, carro abastecido, baterias recarregadas e corpinhos descansados, partimos de Lages às 8h30 com destino à nossa próxima parada, Rio Grande/RS.

Muita terra e muita água para atravessar!

Segundo dia: Caxias do Sul/RS e Rio Grande/RS

O roteiro do segundo dia tinha 652 km, a serem percorridos em 8 horas e meia. A idéia era almoçar em alguma das cidades do caminho, para não perder tempo saindo de perto da BR116.

O problema é que já era muito tarde quando decidimos parar para almoçar (por volta das 15h), e quase todos os restaurantes pelos quais passávamos estavam fechados! Andamos bons quarteirões dentro da cidade para conseguir achar um lugar para almoçar. Mas a nossa teimosia paulista era maior. Achamos!

O restaurante chama-se BAURU, está na Rua Luiz Michielon nº 2060, em Caxias do Sul/RS. O telefone, se precisarem, é (54) 3212-1542 (achei no Google Street View! Fiquei mega feliz! rs).

O dono nos disse, meio sem jeito, que ainda tinha um pouco de comida, mas que precisaria ir buscar arroz em um vizinho pois o seu havia acabado. Nos disse que só servia prato feito e que o prato custava R$ 12. Como “para quem não tem nada, a metade é o dobro”, aceitamos de bom grado o prato feito. Cerveja Polar para os meninos e Coca Cola KS para as meninas.

Prato feito gaúcho e cerveja Polar! 😉

Aí está a foto do prato feito: arroz, feijão preto, repolho refogado, polenta, macarrão com molho bolonhesa, bife, salada de batatas e salada de alface, tomate, pepino e beterraba, um atendimento bacana e comer até estufar por R$ 12,00, e ainda com wi-fi grátis. Achamos fantástico!

Depois do almoço maravilhoso, corremos para Rio Grande. Chegamos tarde, verdade (por volta das 22h30). Mas desta vez fomos mais espertos e procuramos hotel ainda na hora do almoço. Dormimos em um Hotel, que já foi um Motel, chamado “Amor Gaúcho”! Quando ligamos, a atendente disse “Hotel Gaúcho, boa tarde!”, mas em todos os sites e no Booking, o hotel consta como “Amor Gaúcho”.  🙂

Amor puro! 😉

Vou colocar as resenhas, preços e dicas dos hotéis no nosso Guia de Hospedagem, tá?

Achamos o hotel através de um aplicativo para celular, o Booking.com, que vocês também podem acessar por aqui. Aliás, através do Booking, além de achar os hotéis da região, dá pra fazer a reserva com pagamento através do cartão de crédito. Um “adianto”! rs

Jantamos lanches maravilhosos no Mister X (endereço aqui) – atenção: lanches imensos! Um lanche alimenta duas pessoas tranquilamente! Ó:

Um mega lanche. Bem maior do que a minha fome! :-O

Depois de um dia inteiro de viagem e um lanche desses, fomos dormir né?! Ninguém é de ferro! rs